Quarta-feira, 20 de Março de 2013

XXII

Pedacinho de mim, quem o quer ser

quem quer em minha alma habitar

quem quer ser rosa ou cravo a ofertar

ao amor que o tempo e a noite irão matar?

 

Não sei os cravos, o canteiro recusou esses

craveiros em que as flores eram sangue e agonia.

Só as rosas ficaram. Mas a seu tempo

todas elas murcharam e o perfume foi intensa melodia

que ao meu peito invadiu e o feriu.

 

As rosas e os cravos flores belas são

mas matam e destroem corações

que se entregam à paixão e ao amor e

cravam um no outro amarga dor.

 

Recusei os cravos, não recebi as rosas

ficou meu coração amargurado e fundiu-se no tempo,

aguardando novo sonho, novo fado

canteiro ou roseiral plantado

em jardins de ilusões, sinas ou prosas.

 

Felipa Monteverde

publicado por Felipa Monteverde às 22:33
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. XXV

. XXIV

. XXIII

. XXII

. XXI

. XX

. XIX

. XVIII

. XVII

. XVI

.arquivos

. Novembro 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds